VOCÊ LEMBRA DESSE TIME?

PEQUENA HISTÓRIA DO FUTEBOL DE APODI


O primeiro estádio de futebol cercado de muro de tijolos foi construído na década de 50, e pertencia ao Centro Esportivo Apodiense. Por falta de zelo e conservação, as paredes ruíram e o material (tijolos) sumiu do local. Na década de 60, a Fundação para o Desenvolvimento do Vale do Apodi (FUNDEVAP), entidade recém-fundada, com o apoio da comunidade, construiu um novo estádio, que tomou o nome de Estádio Antônio Lopes Filho, posteriormente, com a colaboração da prefeitura, na gestão do prefeito Simão Nogueira Neto, foram colocadas no estádio a grama, a iluminação, o alambrado e parte da arquibancada.
Conforme o nosso próprio conhecimento, o futebol em Apodi surgiu no final da década de 20. Não havia nunhuma organização. Os times eram improvisados para realizações de peladas. No ano de 1959, foi realizado o primeiro campeonato de futebol na cidade, com a participação de apenas três times: Centro Esportivo Apodiense, Apodi Futebol Clube e Moto Esporte Clube. Este campeonato não chegou ao seu final, porque a seleção de Apodi foi participar de um pentagonal promovido pela liga Desportiva Mossoroense, envolvendo as cidades de Apodi, Areia Branca, Assu, Martins, e Mossoró, Apodi e Mossoró ficaram em primeiro lugar. Não houve a decisão entre as duas seleções. A Liga Desportiva Mossoroense impôs que os jogos fossem realizados em Mossoró, com o que os diretores de Apodi não concordaram. Com a desistência de Apodi, a seleção Mossoró foi considerada campeã. Somente em 1967 foi realizado outro campeonato, desta vez com três equipes da cidade: Centro Esportivo Apodiense, Apodi Futebol Clube e Grêmio Esporte Clube. O Centro Esportivo Apodiense ficou em primeiro lugar, e ficando em segundo lugar, o Grêmio Esporte Clube.
Agora vamos fazer a escalação da seleção de Apodi do ano de 1959, da esquerda pra direita, em pé: Toinho Morais, Zé de Tomé, Francisquinho, Manduca, Antonio Eugenio (Mossoró), Lalá, Lomeu, Sinhozinho de Zé de Cândido, Traça e Robson Lopes. Da esquerda pra direita agachados: Raimundo Preto, Titico de Mané Pedro, Ribamar, Isaias, Edmilson, Toinho de João de Guerra.

QUEM SÃO ESSES NA FOTO?


FRANCISCO GOMES DE LIMA ( TANTINHO)


O blog Apodi Antiguidades vem trazendo hoje, uma pequena história do ex vereador Francisco Gomes de Lima, mais conhecido como Tantinho. Filho de Francisco da Costa Lima e Joana Maria de Lima, nasceu no dia 20 de novembro de 1940 no sitio poço verde, zona rural de Apodi-RN. Foi Vereador duas vezes (1983 a 1988) e (1993 a 1996) trabalhando muito para a saúde de Apodi, beneficiando pessoas pobres que não tinha condições, tirando do seu próprio bolso. Tantinho foi responsável por 87 cirurgias. Hoje com 71 anos de idade, confessa que todo esse trabalho foi graças à ajuda de Deus. 

GRUPO ESCOLAR FERREIRA PINTO


O Grupo Escolar Ferreira Pinto foi criado em 25 de novembro de 1911, pelo decreto nº 257, do Governo do Estado. No dia 10 de janeiro de 1912 realizo-se sua inauguração, em prédio adaptado. Posteriormente, foi construído prédio próprio na Rua João Pessoa, onde passou a funcionar. No início da década de 40 foi transferido para um edifício dotado de melhores requisitos para o ensino, na Rua PE. João C. Paiva, especialmente edificado para esta finalidade.
Na foto acima podemos ver da esquerda pra direita em pé: Berim, Zé de enedina, José de Guilherme, Nelson de Maria Luca, Guri, Egidio Martins, Gato de Inês, Vicente Beltrão o próximo não identificado. Sentados da esquerda pra direita começando na fila do meio: Airton, Jorge, João de João Tito, Nilton de Alfredo, Ernesto, fila da frente da esquerda pra direita: José de Paulino, Francisco, Aurino, Cocô, Professora Maria de Lurdes, Zé de Golinha, Francisco Sizenando (Chavinha), Chareu Briza e Lalá de Adolfina.

DEUSDETH ALBUQUERQUE RÊGO

Foto: Romildo Júnior
Foto: Romildo Júnior

O blog Apodi Antiguidades vem resgatar um pouco da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Assim, iremos trazer matérias sobre apodienses que foram sorteados e convocados para servir ao Exército brasileiro na Segunda Guerra Mundial.
Dos apodienses convocados naquela época o primeiro que o blog vem a resgatar é Sr. Deusdeth Albuquerque Rêgo, nascido em 3 de novembro de 1922 na cidade de Apodi, filho de Francisco Calvocante de Albuquerque e Antonia de Albuquerque Rêgo. Hoje aposentado como 2º Tenente do Exército. Segundo ele, tinha 21 anos de idade quando convocado para a guerra. Foi para Natal onde passou dois anos em treinamento na cidade de Parnamirim, logo após seguiu para Recife em Navio de guerra americano, de Recife seguiu para o Rio de Janeiro juntamente com seu irmão Manoel de Albuquerque Rêgo, nascido em 5 de setembro de 1919 na cidade de Apodi (hoje falecido). Segundo Deusdeth, durante a viagem para o Rio de Janeiro ele presenciou o suicídio de dois companheiros que temiam ser enviados para Itália. Um seria natural de Martins e outro da Paraíba. Estes homens pularam do navio para alto mar durante a noite, onde não foi possível o resgate deles.
Chegando ao Rio Deusdeth não foi enviado para Itália, ao contrário de seu irmão Manoel do Rêgo que lutou na Itália e retornou para o Brasil. Deusdeth ficou a disposição do Exército no Rio de Janeiro até 1946. O blog reconhece a bravura desses guerreiros apodienses que foram convocados na segunda guerra mundial.
Obs.: Dia 6 de junho de 20011 faz 66 anos do desembarque das tropas aliadas na Normandia - França.

Reportagem: Isnarde

LAGOA DO APODI PRATICAMENTE SECA


A lagoa do Apodi ficou praticamente seca no ano de 1993, ocasionando enormes prejuízos para a pecuária.

DOMINGOS FREIRE DE FREITAS


DOMINGOS FREIRE DE FREITAS, NASCIDO EM CINCO DE AGOSTO DE 1889 NO MUNICIPIO DE APODI-RN. FILHO DE ADVÍCULA FREIRE DA SILVEIRA E QUERUBINA DE FREITAS. FOI VEREADOR, AGRICULTOR, GERENTE DA COOPERATIVA DE AGRICULTORES, PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE SÃO VICENTE DE PAULA, PRESIDENTE DO APODI FUTEBOL CLUBE, FOI 1º LEILOEIRO DA CIDADE DE APODI; CASADO COM ADOLFINA CARMINA DIAS, PAI DE ALAÍRES DIAS DE FREITAS, ALVANI DIAS DE FREITAS, MARIA DE LOURDES DE FREITAS. O SR. DOMINGOS FALECEU NO DIA 18 DE JUNHO DE 1983 NA CIDADE DE APODI.

CAPELA DE SÃO FRANCISCO


A capela de São Francisco foi fundada no ano de 1994 na cidade de Apodi.

DECA MORAIS

O Sr. Deca Morais na sua posse em 1973.

LAGOA DO APODI

FOTOS: ROMILDO JÚNIOR

É dever de todo apodiense, manifestar-se em defesa desse patrimônio.

DONA ADOLFINA


Homenagem  póstuma a dona Adolfina Carmina Dias que está ao lado de seu filho Lalá(Alaires Dias de Freitas.

QUINTAL DO CHORINHO

video
Quintal do Chorinho Apodi RN Contato: (084) 9114-0437

SINÔNIMO DE PURA BELEZA


Sinônimo de pura beleza uma das casas mais lindas de Apodi, localizada na Rua São João Batista no centro da cidade, foi residência muitos anos da Sra. Maria Romana Leite mais conhecida como (Maria de Abilia).

A SANTA DO NAUFRÁGIO


Segundo o nosso cronista Nonato Mota, a imagem de Nossa Senhora da Conceição do Apodi teria vindo de Portugual, a pedido do português Antônio de Mota Ribeiro, aqui residente e primeiro procurador da freguesia.
Outro historiador, Manoel Antônio de Oliveira Coriolano, nos seus relatos sobre a história do Apodi, mercionava que a verenda imagem fora adquirida por Miguel Rodrigues da Silva, em Portugal, e custara na quela época, ano de 1765, a quantia de cem mil réis.
Adianta ainda Coriolano, escrevendo sobre os acontecimentos do passado, haver naufragado nas costas do municipio de Touros, o navio que conduzia o vulto da santa. Encontrando o caixão pela barra do rio Açu fora o mesmo encontrado por um pescador. Verificando-se o distico Várzea do Apodi, foi o fato comunicado ao cura das Missões de São João Batista do Apodi, padre João da Cunha Paiva.
Ao ter Ciência do acontecimento, o povo do Apodi organizou uma  comitiva, para trazer em procissão até o altar de sua igreja, a padroeira do lugar, o que foi feito, realizando-se na ocasião a benção litúrgica da imagem.
O fato de haver salvado-se do naufrágio a imagem vinda de Portugal, sem sofrer nenhum estrago, foi considerado pelos habitantes do Apodi, como um acontecimento realmente milagroso. Por esta razão, a partir daquela época, o apodiense dedica á sua padroeira, fervoroso culto.
Conta a história, que do acidente ocorrido há duzentos anos, resultara apenas um pequeno defeito nas cores do nariz da imagem, símbolo de fé e devoção da gente católica da terra.
( Váter de Brito Guerra, Apodi, Sua História, p.93/94)

ACENIS

A foto acima mostra a acenis de 1989

Realizou-se de 13 a 20 de janeiro de 1979, nesta cidade, a primeira Semana Univesitária de Apodi, promovida pela ACENIS- Associação Cultural de Estudades de Nível Superior. A promoção obteve êxito satisfatório. O programa constou de : exposição de peças de artesanato, cinema de arte, esportes, exposição de peças de museu, lazer, palestras sobre temas da atualidade, folclore, curso sobre teatro, gincanas e etc. O acontecimento reuniu oitenta estudantes universitários de Apodi, foi patrocinado pela Fundação José Augusto, do Rio Grande do Norte, recebendo substancial ajuda da Prefeitura Municipal, contando ainda com a colaboração de entidades locais e do povo em geral. Fundada em 14 de janeiro de 1978, a ACENIS tem sua diretoria composta dos seguintes estudantes:
PRESIDENTE: Pedro Terceiro de Melo
VICE-PRESIDENTE: Carlos Alberto Costa

APODI ANTIGUIDADES

Mande seu email para: apodiantiguidades@hotmail.com

DONA MINERVINA

Dona Minervina era casada com o Sr. Antônio de Sousa, viúva no ano de 1954  mãe de 14 filhos residiam na rua João Pessoa.

QUEM SÃO ESSES NA FOTO?

PADRE FELIPE


Padre Felipe Werter S.C.J. esteve a frete da paróquia de Apodi em (1974-1977).

VEREADORES


Câmara de vereadores no ano de 1973. Na foto acima podemos ver da esquerda pra direita, três vereadores eleitos na época: Zominho, Geraldo de Sr. de Mariquinha e o grande intelectual Gerson Lopes.  

PEQUÉ FUTEBOL CLUBE


Essa vai para você que gosta de futebol, uma das melhores equipes do pequé formada por grades jogadores do nosso Apodi. Podemos ver da esquerda pra direita (em pé) Tantico, Jeje de Zé Cabral, Gerocildes, Nenêgo de Saboia, Jeová, Luis Leite, Odesio, (agaxado) Neto Romão, Roberto, Gilvan de Valdemiro, Ageu do Pastor, Daborê e Carlos Cabral. Nada melhor como relembrar grandes equipes do nosso Apodi.

JOSÉ MARTINS DE VASCONCELOS


José Martins de Vasconcelos nasceu na cidade de Apodi, no dia 11 de novembro de 1874. Ainda muito moço foi para mossoró a fim de procurar trabalho e estudar. Ali iniciou sua vida, desenvolvendo atividades modestas; foi vendedor de jornais, alfaiate, músico, para depois ingressar no jornalismo, dedicando-se ao mesmo a serviços tipográficos, instalando uma tipografia, ``O NORDESTE´´, ainda hoje em pleno funcionamento. Participou ativamente de todos os movimentos literários e políticos de sua época, fundou jornais, fez teatro, criou bandas de música, escreveu e publicou os seguintes livros: ``Saltérios de Saudades´´(poesias), ``Renovos D´Alma´´(poesias), ``O Sultão´´(poesias), ``Histórias do Sertão´´(contos), ``Goivos´´(poesias). Faleceu em mossoró aos 73 anos de idade, onde viveu e desenvolveu suas atividades de jornalista, poeta, músico, comerciante e intelectual dos mais primorosos.

MINHA TERRA (APODI)
VINHA DE LONGE, DE OUTRAS TERRAS VINHA CISMADO EM TI, A LUZ D´UM SOL CANDENTE QUANDO VISEI-TE NO TAPIZ FLORANTE, FORMOSO E ALTIVA, O MEIGA TERRA MINHA.
VI-TE CINGINDO UM ARREBOL QUE TINHA UNS NIMBOS DE OURO SOB O CÉU RIDENTE; RIA A TEUS PÉS UM ESTENDAL VIRENTE DE UM LAGO AMENO, ONDE O AMOR SE ANINHA!...
VIA A IGREJINHA DE SÃO JOÃO BATISTA, NOSSO PATRONO; E A CAPELINHA ANTIGA DO CEMITÉRIO, ONDE EU FUI BATIZADO.
QUANTA SAUDADE NESSA TARDE QUISTA TIVE DE TI, COMO DA QUADRA AMIGA DE MINHA INFÂNCIA, O MEU TORRÃO AMADO.

MOSSORÓ, 8 DE AGOSTO DE 1903
                         JOSÉ MARTINS DE VASCOCELOS

APODI ANTIGUIDADES

Mande sua matéria para: apodiantiguidades@hotmail.com

PADRE PEDRO NEEFS


Um dos padres que mais amor a cidade de Apodi. Autor de vários projetos importantes para nossa cidade. Ele criou a FUNDEVAP, balneário da lagoa de Apodi, banda de música e entre outros. Padre Pedro Neefs S.C.J. passou pela nossa paróquia nos anos de (1965 até 1969).

LAJEDO DE SOLEDADE


Um patrimônio cultural preservado com o patrocínio da PETROBRÁS:
O lajedo de soledade, um exemplo de preservação do patrimônio cultural brasileiro, com o patrocinío da PETROBRÁS, localizado em Apodi RN, é a maior exposição de rocha calcária da bacia potiguar, que se formou há milhões de anos, quando um mar raso cobria a região. posteriormente com recuo do mar, chuvas e correntes esculpiam o calcário, criando cavernas, fendas e abrigos, que durante a estação chuvosa grande quantidade de água, o que tem atraído, desde milhões de anos, enormes animais da fauna pleistocênica e, mais recentemente, o homem pré-histórico.
Estas ocupações tem sua comprovação através dos inúmeros vestígios encontrados, como ossos de mastodontes, preguiças e tatus gigantes, e também gravuras e pinturas rupestres registradas nos pisos, paredes e tetos dos abrigos rochosos.

TONASCI INSTRUMENTOS MUSICAIS

Rua: Dr. José de Mozart Menescal 56, Próximo ao Ginásio de Esportes Apodi RN
Contato: (084) 9441-9003  (084) 3333-2996
Org: Antônio Celso

PRAÇA E PÁLACIO FRANCISCO PINTO

Praça em homenagem a Francisco Pinto.
Pálacio Francisco Pinto construído em 23-03-1929 restaurado em 23-06-1992 onde funciona a Prefeitura Municipal de Apodi.

FRANCISCO FERREIRA PINTO



Francisco Ferreira Pinto era filho de Casimiro Ferreira Pinto e Vicência Gomes de Oliveira, o mais velho dos dezoito filhos do casal, Em terras do sítio merêncio em cujas proximidades nasceu, neste município, no dia 17 de abril de 1895, dedecou-se durante alguns anos a trabalhos da agricultura, não fugindo á tradição da família, toda ela ligada á atividades agrículas. Passando algum tempo, ainda jovem, abandonou as vazantes da lagoa Apodi e as terras do sítio pequé, onde plantava arroz e pastorava passarinhos, para se dedicar ao ramo comercial, a convite de parentes, que desfrutavam de boa situação social, economica e política, em Apodi. Iniciou como balconista da firma João Jázimo de Oliveira Pinto, para logo depois passar a sócio, firmando-se mais tarde por  conta própria. Nesta nova atividade prosperor rapidamente, graças á sua extraordinária capacidade de trabalho, no qual alimentava suas esperanças de realizações, inclusive em benefício de sua terra. Estimulado pelo seu espírito empreendedor, explorou, também, o setor industrial, instalando uma usina de beneficiamento de algodão nesta cidade, de parceria com seu irmão Lucas Pinto, no ano de 1932.  Frequentou a escola do eficiente professor Antônio Laurêncio Dantas, onde aprendeu noções de português, aritmética, história e geografia, relevando admirável inteligência. Não teve, entretanto, condições de alcançar estudos de nível mais elevados, condicionado que estava, á situação econômica do pai, pequeno agricultor, sem possibilidade de mandá-lo para um centro mais desenvolvido, onde pudesse aprimorar seu aprendizado. Chico Pinto chegou a suprir, em parte, essa deficiência, através da leitura, adquirindo bons conhecimentos, o que lhe proporcionou meios de proveitoso relacionamento com o mundo social, comercial e político, atividades que abraçou com entusiasmo e disposição de luta. Como político, influencia do por seu parente e protetor João Jázimo, tornou-se um altêntico líder do seu povo, a cujos problemas dedicava grande parte de seu tempo, em busca de solução. Ao assumir uma cadeira de Deputado Estadual, conseguiu diversos melhoramentos para o município, inclusive serviço telefônico para a vila Itaú, escolas, campo de aviação para esta cidade, não tendo sido inaugurado devido a eclosão do movimento revoluciónario de 1930. Como Prefeito Municipal realizou obras de grande importância, merecendo destaque a construção do prédio para funcionamento da Prefeitura, cadeia Pública, criou banda de música, instituiu sociedade literária, dando-lhe sede própria, além de outros melhoramentos que marcaram sua ação administrativa em benefício da coletividade, desenvolvida no período de 1927 a 1930. Herdara o tradicional prestígio da família Pinto, principalmente legado pela respeitável figura do Coronel Antônio Ferreira Pinto, exemplo de honradez, dignidade e espírito Público. O Coronel Antônio Ferreira Pinto foi o mais habilidoso politico do Apodi em todos os tempos. Foi eleito varias vezes aos cargos de Deputado Estadual e Presidente da Intendência Municipal, o que atesta seu indiscutível prestígio eleitoral em Apodi, no Império e na República. Sempre respeitado por correligionário e adversários, o Coronel Ferreira Pinto soube cultivar um universo de afetivas amizades, ao longo de sua proveitosa existência, sempre voltada para o bem, o que lhe assegurava o predomínio no campo das lutas eleitorais, intinerário que trilhou com segurança até o final de sua carreira política, encerrada com sua morte, em 1909, aos 71 anos de idade.

Ao lado dos amigos, aos quais dedicava consideração e lealdade, Chico Pinto lutou sem medo, contra os abusos das interventorias revolucionárias instalada no estado, após o movimento de 1930, enfrentando violências e perigos de ferrenhos adversários. Sua coragem e seu entusiasmo nas lutas políticas, contra um sistema de governo autoritário e violento, lhe custaram sérias, e contudentes perseguições. Conforme foi relatado, Chico Pinto preso, antes da revolução de 1930, por um grupo de cangaceiros, em maio de 1927, que aqui veio com a finalidade de assasiná-lo, por questões políticas, surgidas naquela época. No mês de Julho de 1933 , foi intimado a comparecer á presença do representante do Interventor Mário Câmara, neste município, senhor Benedito Dantas Saldanha, para justificar supostas críticas por ele feitas ao sistema de governo que estava sendo adotado no Rio Grande do Norte, fincando preso numa das selas da cadeia Pública de Apodi. No dia 2 de maio de 1934, foi assasinado no seu próprio lar, quando se recolhia para dormir. Terminara a costumeira prosa na calçada de sua residência, onde, todas as noites, reuniam-se correligionários e amigos de sua intimidade. Nessas ocasiões, como era natural, predominavam assuntos de natureza políticas. Alguns participantes da abitual reunião ainda não havia se distanciado muito do local do crime, quando foram alertados pelo tiro fatal. Ao retornarem apressadamente a casa do amigo, já o encontraram sem vida, prostrado ao solo.